terça-feira, 30 de abril de 2024

A animação japonesa através dos tempos




    O livro A animação japonesa através dos tempos (Viktor Danko)  nasceu após a conclusão do autor da sua dissertação de mestrado, onde ele analisou os filmes do diretor japonês Hayao Miyazaki. Interessante a sua percepção sobre a preocupação do diretor e o foco de seus filmes da figura feminina. O livro se propõe a apresentar a história da cinematografia animada japonesa. Segue as influências literárias, a gênese do cinema, o contexto hhistórico pré e pós 2GM e as influências sobre o diretor Miyazaki.



    No capítulo 1 - As artes que influenciaram o mangá e a animação japonesa temos a apresentação da  introdução do Budismo no século VI no Japão, com a sua escrita, as artes plásticas, as artes sacras e a influência chinesa que fizeram parte das primeiras produções artísticas japonesas até que chegassem ao nível de adaptação para o estilo de vida nas ilhas do Japão. O início da produção das próprias narrativas japonesas de caráter histórico ou religioso, poesias, ficção, batalhas e eventos históricos marcam o início da literatura. O desenvolvimento dessa literatura é apresentada no capítulo desde o seu primórdio passando pelo período do governo do xogunato de Tokugawa - período, inclusive de grande produção artistica. O capítulo encerra com a abertura forçada do Japão ao resto do mundo, levando ao desenvolvimento de outras formas gráficas e trazendo alterações nas narrativas.

    No capítulo 2 - A influência de outros países para a literatura ilustrada no novo contexto histórico do Japão, o autor Inicia com a restauração Meiji, o que ocasionou, entre diversas mudanças artísticas, a fusão da tradição japonesa e as novas técnicas e estilos estrangeiros. Após o breve relato do desenvolvimento do mangá, o capítulo finda com a quebra da bolsa de valores (1929 NY) e como ela influenciou no tipo de histórias que seriam produzidas.

    No capitulo 3 - O princípio do cinema de animação no Japão - temos os registros dos primeiros filmes de animação japonesa (1907), uma breve apresentação de animadores japoneses e estúdios, as charges políticas e a utilização do cinema de animação como forma de propaganda para o público mais jovem. Já no capítulo 4 - A influência da Segunda Guerra Mundial nos filmes de animação e nos mangás - A guerra não apenas mudou o cenário político e econômico dos países envolvidos como afetou a forma de pensar e fazer arte. A maneira dos japoneses representar metaforicamente seus inimigos, as narrativas e temáticas tiveram forte teor bélico. O teor nacionalista pós guerra é censurado pelo período de ocupação norte-americana. O teor se torna moral e com papel educador. A ocupação também faz com o que o Japão faça aderência ao modelo econômico capitalista, modificando a estética dos mangás que passam a sofrer influências da Walt Disney, surgindo o mangá moderno. Valores nacionais japoneses são proibidos até 1947 quando a constituição japonesa proíbe toda as formas de censura.

    Animações japonesas durante o pós-guerra e ocupação Norte-Americana, título do capítulo 5, temos  vários exemplos de animações nipônicas, diretores, personagens e temáticas Os trabalhos de Osamu Tezuka, que simplificou as técnicas de produção, diminuindo gastos e unindo produção com as histórias que produzia em mangá. O surgimento das animações na televisão, a consolidação dos gêneros de animações e seus públicos albos e como as animações japonesas tomaram o mercado internacional.

No útlmo capítulo, temos a biografia de Hayao Miyazaki, nascido em 1941, Tóquio, que cresceu em um ambiente repleto de aeronaves. A guerra teve grande impacto em sua vida. Desde jovem teve interesse em ser artista de mangá e no capítulo nos é apresentada a sua trajetória profissional como designer, animador e diretor. Em 1985 funda com Takahata e Suzuki o estúdio Ghibli. O processo de criação dos filmes do estúdio, a apresentação e aceitação no mercado internacional, influências e personagens.Muitas informações bem apresentadas em um livro com poucas páginas. Até agora, único livro que consegui para a pesquisa do meu artigo. Indico! 


segunda-feira, 29 de abril de 2024

Amar é simples...

 Uma breve pausa do meu artigo para indicar o livro de um casal de amigos. Amar é simples a gente que complica (Rogério Dias e Verônica Jacomini)

Bom, eu tenho muito a escrever sobre eles, mas, só me vem a mente a apresentação sincera da esposa: "leva 3 dias para lavar a louça (😁) e faz as melhores comidas". Sobre ela, ele apresenta: "é a pessoa que sonho e desejo passar toda a minha vida". Lindo de se ler. ♥️

Tive a honra de cadastrar na estante Skoob (a maior plataforma dos leitores do Brasil)

Amar é simples Estante Skoob


Meu primeiro histórico de leitura por lá: 

Autores brasilienses, casados e amigos que achava que conhecia até então. Porém, é na fala do outro (esposo sobre esposa e vice versa que temos um olhar mais íntimo sobre ambos). Um material maravilhoso! Um dia a dia divertido e leve, ainda que, haja situações de conflitos. Os textos são sérios. As ilustrações espelham que, no fundo, estamos todos tentando acertar. Basta descomplicar e colocar muito humor no dia-a-dia. Uma leitura leve para o final ou início do dia. Não é uma doutrina, é um manual cirúrgico sem muitas delongas. Estou na Linguagem do Amor, bem no início. Indicando para todos que não desistiram da convivência a dois. 

Indico! 



terça-feira, 16 de abril de 2024

Uma breve apresentação sobre o meu tema

 Meu tema é sobre a animação japonesa A Viagem de Chihiro (2001) do diretor Hayao Miyazaki do Studio Ghibli. 



Quero abordar a arquitetura na animação. O tema é bem complexo, pois há pouca fonte e parece que eu tenho atração por esse tipo de situação. Enquanto isso, sigo pesquisando e assistindo várias vezes os passos de Chihiro. 



quinta-feira, 4 de abril de 2024

Diário de projeto: a busca de material na Estante Virtual Skoob

 Vamos lá! 

Após tema escolhido (só posso adiantar que vai ser sobre arte ocidental e oriental na animação A Viagem de Chihiro) fui átras de material. 

Sou skoobers plus (https://www.skoob.com.br/), que significa fazer parte da maior comunidade de leitores online e a parte plus é trocar e receber livros pela plataforma. Só uma observação: nessa plataforma você pode registrar leituras, escrever resenhas, encontrar outros leitores e solicitar livros (desde que você tenha crédito). Não tem vendas de livros. O crédito é R$ 9,90 que você pode comprar (até três no máximo) ou ganhar crédito a medida que você envia livros. O máximo que você pode pedir em um livro seu são dois créditos. 

Como uma boa TDAH hiperfocada lancei meus melhores livros na plataforma. Primeira luta: ter dinheiro para postar, pois a maioria foi solicitada quase que no mesmo dia. Eu deveria ter colocado aos poucos, mas, como uma boa TDAH (sempre em terapia) fui pelo hiperfoco. Gastei o que eu não podia. 

Primeira frustração: todos o material na estante para eu solicitar está escrito em inglês. Pedi apenas um para treinar, e na boa, eu não estou com esse tempo. A única coisa boa foi conhecer um escritor brasileiro (Vitor Danko) e o mesmo me indicou o site com vários dos seus artigos sobre Studio Ghibli. Sério, foi o que me deu um UP para continuar. Baixei os artigos dele e de outros no site citado no post anterior e já estou solicitando o livro dele que não é caro. 

Aos interessados:



Autor https://animacaoatravesdos.wixsite.com/website

Site para a compra do livro 

https://sacola.pagbank.com.br/39e4e173-0be4-49d2-ad34-4511704d357a

Perfil dele com os artigos acadêmicos escritos 

https://anhembi.academia.edu/ViktorDankoPerkusichNovaes

Para mim é o mínimo que eu posso fazer pela gentileza que ele me fez ao me responder na plataforma Skoob. 

A escolha do tema e o chat GPT


 Para dar início a esse diário de projeto, vou começar pelo tema que escolhi. Ele não está totalmente fechado. 

Estava conversando com um amigo e eu vi ele digitando e conversamos sobre o Chat GPT. Já era algo que eu havia escutado, já sabia que as pessoas usam, debatem, abordam os benefícios e maléficios e confesso que nunca usei e nem me aprofundei. 

Bom, um dia eu ousei experimentar! Eu fiquei estupefata. 

Joguei poucas palavras e em menos de 5 segundos tinha metade de uma página escrita ... eu tive muitas emoções naquele momento, pois casava um pouco com a minha falta de tempo, disposição e a vida adulta que é bem complexa. 

Gente, não estou julgando o uso. Eu acho que a tecnologia está aí para nos auxiliar. Não quero julgar de maneira alguma. Nem dar uma de puritana e afirmar: eu nunca farei uso de tal inteligência

Mas após muita reflexão (e talvez eu me dê muito mal por isso), decidi pesquisar artigos (odeio ler na tela), imprimir, encadernar, gastar uma grana que eu nem posso e seguir o caminho visto por muitos como pré-histórico (ironia) de fazer um artigo. 

Eu tenho muito a dissertar sobre esses artigos de final de curso, sou um pouco contrária, mas essa não é a finalidade do meu blog. Eu realmente decidir pagar o preço para não perder os conhecimentos que estou adquirindo com a leitura de vários artigos escritos e quero deixar aqui o site (https://www.academia.edu/) que tem uma biblioteca farta de trabalhos valiosos sobre várias temáticas. 

Claro, né, gente, citando sempre a fonte da nossa pesquisa e dando o devido valor ao trabalho de estudo que nos auxilia. Sim ou sim?



Desabafo e atitude dessa leitora em 2024

Desabafo 


É possível perceber a minha ausência por aqui e ela está intimimamente relacionada com a minha atual situação na vida pessoal nos dois últimos anos. "Estou empreendedora"😪. Explico: nada contra (apenas algumas observações sobre a ilusão que se tem sobre o empreendedorismo no Brasil), mas não foi algo que escolhi ou planejei. Estou fazendo o meu melhor e dando conta de uma forma surreal. 

O que mais me chateia é a falta de tempo em fazer o que eu amo: LER! Dois anos que tive que iniciar leituras como mangás, HQ´s e afins. Repito novamente: nada contra, até a favor. Mas, a relevância para a minha satisfação pessoal foi bem mínima e o retorno seja financeiro ou espiritual foi quase nulo😢. Não me julgue, nossas formas de enxergar o mundo são diferentes. 

Esse bate-papo fica para um podcast (eis uma coisa que pretendo muitoooooo um dia fazer. Sem neura e pressa). Um adendo: tenho escutando o Podcast Para dar nome as coisas (Spotify). Tem me ajudado nesse momento de "estou" e "não sou". 


Atitude

Bom, sou graduanda de Artes Visuais (é um rolê muito louco) e resumindo estou escrevendo o projeto do meu artigo de conclusão de curso. Custei a decidir pelo tema. Pensei em animeventos na minha cidade, cosplay e a cultura, a educacão artística e o surdo e perdi um semestre só nessa indecisão. Como sou uma jovem senhora hiperfocada, decidi por Studio Ghibli. 

Assim como foi com Machado de Assis (minha primeira monografia na Licenciatura de História), o Studio Ghibli também é uma paixão da fase adulta. Machado de Assis pós 30 anos e agora Studio Ghibli pós 40 anos. Já aviso que não sou uma conhecedora de tudo o que diz respeito ao tema. Queria ter mais tempo e dedicação para usufruir da arte fenomenal do Studio. 

Então... Decidi fazer do meu blog em 2024 um diário de projeto e escrita do meu artigo. Registrar aqui descobertas, curiosidades e etc. 


Sobre os livros, continuo com a leitura daqueles que não consegui terminar em 2023 (apenas 5!) e coloquei como meta a leitura deles pelo menos 3x por semana. O app Skoob é muito bacana pois ele te ajuda em desafios e sempre foi (pelo menos pra mim) há anos uma forma de eu organizar a minha leitura e não me sentir sozinha. Não tenho a riqueza de ser rodeada por leitores. 

Você me acompanha?


sexta-feira, 22 de dezembro de 2023

O ano de 2023 e as leituras

 Não finalizei nenhum livro em 2023. Estão todos pela metade. Por causa de uma nova atividade profissional tive que consumir mangás. Doeu muito a minha cabeça no início (a leitura é realizada da direita para a esquerda e de cima para baixo) e confesso que volta e meia fugia para a leitura dos HQ´s. 



quarta-feira, 30 de agosto de 2023

2022 passou e eu não O li

 Como explicar o ano de 2022 que por aqui é uma lacuna de ausência? 


Apenas quatro livros lidos e hoje dei uma passada por aqui... Caramba... O ano passou em minha mente e resumindo: foi tenso! Gostaria de afirmar que 2023 no campo literário está sendo diferente, porém, está um pouco parecido. Vida que segue.

domingo, 9 de janeiro de 2022

 1/2022

O autor aborda os mitos e lendas presentes na obra Macunaíma de Mário de Andrade sobre os astros e fenômenos celestes.

 A observação astronômica dos nossos povos primitivos não desenvolveu uma astronomia, como os outros povos da América pré-colombiana, mas tentaram explicar algumas características dos astros. 

Para eles, o céu era um espelho das nossas fauna e flora.


 Um ótimo livro para ler junto com Macunaíma, que inclusive, se tornou estrela, como todo herói.  

sábado, 17 de julho de 2021

Maria Bonita: sexo, violência e mulheres no cangaço


Se você é apaixado por Lampião e Maria Bonita, aconselho que não leia. Simples assim. O mito em torno dos heróis do cangaço vai cair por terra e a ânsia de vômito é certeira a cada página lida. Vale ressaltar que esses personagens foram elaborados pela mídia pouco antes da morte dos líderes e que esse apelido Maria Bonita nem era usado por ela enquanto viva. O Robin Hood e a primeira dama do sertão nasceram após a trágica morte dos dois. 

Maria de Déa era casada antes de se tornar cangaceira e sua chegada ao bando permitiu que os participantes levassem suas  mulheres, mesmo que sequestradas (o que aconteceu com a maioria). O estupro cometido pelos cangaceiros diminuiu, mas não deixou de ser praticado, pois havia prazer em "cobrir uma fêmea". Ser mulher era desgraçadamente perigoso.

A amizade de Lampião com coronéis, aliás, a forma como se tornou cangaceiro e sua amizade com Padim Ciço já demonstra que a sua violência era acobertada por figuras importantes que poderiam dar fim ao cangaço. Quando Lampião se tornou um personagem cinematográfico e midiático de interesse geral de um público nacional e estrangeiro voyerista, surge a necessidade de demonstrar serviço policial e dar fim ao movimento do cangaço. Revisionismo histórico total! 



 

O Avesso da Pele


O Avesso da Pele foi o livro do grupo de leitura da Bilbioteca da UNB no mês de junho. Pode parecer apenas o relato de um filho sobre os seus pais, mas é bem mais do que isso, é um relato vivo da sociedade brasileira. Jeferson Tenório apresenta o relato de Pedro sobre a trajetória dos seus pais antes do seu nascimento e após a separação. Seu pai, um professor que descobre o racismo sofrido desde a infância após o contato com um professor, tenta fazer o mesmo com seus alunos, mesmo desmotivado com o sistema educacional falido em Porto Alegre. Sua mãe, com seus monstros psicológicos advindos da infância, tenta a cura no seu relacionamento conjugal, o que, não ocorre. Esse racismo estrutural mascarado ou ideologicamente justificado é a temática que dá um soco no estômago. Não é uma leitura fácil, mas necessária, a começar pela sala de aula. O desfecho pode parecer apelativo, mas é o mesmo que assistimos nos noticiários anestesiados por esse pileque homérico que nos acomete e nos direciona a normalidade da violência vertical. 
 

Cem Anos de Solidão (releitura)


Confesso que li Cem Anos de Solidão em três dias no ano de 2008. Devorei! Foi meu primeiro caso de amor com Gabriel García Márquez. Não é o meu preferido, apesar de tão aclamado pelo público literário. Decidi lê-lo novamente, pois essa rapidez me fez esquecer e eu gostaria muito de, após a formação em História, absorver a narrativa histórica subliminar (ou não) na Macondo ficcional. Mas, decidi que seria uma leitura sem pressa, apesar que tediosa pelos Aurelianos, Arcádios, Remédios ... muita calma e atenção. Que mente brilhante! Sem descrever o que todos já sabem, é a narrativa de uma América Latina e seus impasses históricos (liberais versus conservadores, exército, sumiço de corpos, o fanatismo religioso, o massacre das bananeiras, a presença estrangeira, o interesse na botânica, as guerilhas e por fim, a forma como a narrativa real é apagada em livros didáticos e mídias a serviço do poder local ou "imperialista"). Só foi possível analisar Cem Anos de Solidão nessa perspectiva histórica após a leitura As veias abertas da América Latina (Eduardo Galeano). Mas, é um livro com várias possibilidades e certamente eternizou o autor colombiano. 

 

Redemoinho em dia quente - Jarid Arraes

 

A escritora, poetisa, cordelista nasceu em 1991 em Juazeiro do Norte (CE) e atualmente mora em SP. Livro escolhido pelo grupo de leitura Leitores Anônimos (junho/2021) revela mulheres em situações cotidianas, o que por si só, traz uma identificação em alguns dos relatos apresentados. Mesmo não sendo baseado em personagens reais, temos narrativas realistas, fantasiosas, psicológicas e também críticas sociais. 

O primeiro conto, da dona Francisca, devota a Padim Ciço, é a abertura que faz você continuar ou largar pelo seu desfecho inesperado. Já em Cinco Mil Litros, situações entre uma mãe e uma filha com a necessidade pautando a ação e o destino de ambas. Já em Moto de Mulher, eis que me vi! Para não tornar cansativo, o que mais me comoveu foi Telhado quebrado com gente morando dentro e o que não traguei de jeito nenhum foi Novo Elemento, tipo, sem sentido, pra mim, obviamente. 

Mesmo sendo sobre um Cariri urbanizado, muito do que foi descrito é comparavél com o cotidiano de mulheres da Capital Federal, talvez por essa aproximação cultural que tanto temos e amamos com o Nordeste. Temas debatidos atualmente e que eram tabu até então, é apresentado  o que abre brechas para o debate. Indico! 

O conto da Aia

 


Bom, eu gosto de distopia. Confesso que a temática é quase profética na onda conservadora que assola a política atual brasileira. A autora, Margaret Atwood, publicou seu livro nos anos 80 e sua obra veio à tona novamente com o sucesso da série, que ainda não assisti. Vale ressaltar que foi o livro de junho do grupo de leitura Leia Mulheres Petrópolis. 

A nação dos EUA após passar por problemas de cunho ambientais, políticos, morais adentra em uma ditadura teocrática baseada em uma autoritarismo puritano. Lembrei muito da obra A Letra Escarlate de Nathaniel Hawthorne (Indico!!!). Mulheres são submetidas aos padrões embasados no Livro Sagrado cristão. Doutrinadas por mulheres mais velhas, são preparadas para fornecer o útero às mulheres estéreis casadas com comandantes. São as Aias. 

Essas mulheres perderam a autonomia sobre o próprio dinheiro, emprego e o próprio corpo. Seus úteros servem ao Estado. Recebem novos nomes e suas escolhas são definidas pela verticalidade do poder, pois uma das causas do fracasso da antiga sociedade, segundo o Estado, foi o excesso de escolhas que as mulheres conquistaram. Tendo como causa maior a descendência e não o matrimônio romântico, as esposas dos comandantes participam dos ritos de fecundação seguindo o Velho Testamento (tão atemporal):

"Raquel disse: dá-me filhos ou senão eu morro... eis aqui a minha serva, entra nela para que tenha filhos sobre os meus joelhos e eu, assim receba filhas por ela".

Claro, que, alguns cidadãos de bem quebram as regras e agem na clandestinidade. Enquanto isso, nossa protagonista procura resistir lembrando do seu passado e da sua identidade, já que o destino das que não se conformam é a substituição ou a morte. Apenas seus úteros tem serventia e nada mais. 

Ainda que seja uma ficção, o desejo do poder vertical é regredir em qualquer conquista do sexo feminino, submetendo a mulher ao modelo conservador do modelo patriarcal. Simples assim. 


domingo, 20 de junho de 2021

As alegrias da maternidade


As alegrias da Maternidade foi o livro de maio do grupo literário Leia Mulheres Petrópolis. Uma das características do grupo é escolher autoras ou personagens femininas marcantes. Li um pouco da biografia de Buchi Emecheta e já me senti atraída por outras obras literárias da mesma. 

Nnu Ego é filha de um líder tribal, logo vamos analisar a tradição e o contemporâneo existente não apenas na atual Nigéria. Sua mãe tem um histórico de amante, muito amada e só lendo mesmo para compreender que naquele contexto o homem tribal podia ter esposas, amantes e escravas. Já Nnu Ego, impossibilitada em ser mãe no seu primeiro casamento, mesmo sendo a preferida do seu pai, é enviada para casar com um pretendente que vive na cidade colonizada pelos britânicos, atual Nigéria. 

O papel da maternidade conduz a trajetória de Nnu Ego e outras mulheres com grilhões tradicionais e os valores femininos são mensurados pelo desempenho dos filhos até a ausência deles. Não existe a mulher como protagonista e sim o papel da maternidade. Sensível e arrebatador. Indico.

O Tigre Branco


O Tigre Branco, de Aravind Adiga, foi o livro escolhido pelo grupo de leitura da BNB no mês de maio. No início, ele é cansativo. Um grande empresário relata a sua trajetória para um político chinês que vai visitar a Índia escrevendo vários e-mails. 

Bom, o tigre branco é um animal raro, aparece de geração em geração. Balram é esse tigre. Sua odisseia começa quando ele decide não seguir o mesmo destino dos homens da sua casta. Sim, fica bem explicado no livro a questão das castas na Índia e como isso compromete até hoje o destino de muitos.
 
A descrição da política (corrupta), das relações familiares e patronais, da miséria paralela ao crescimento e investimento estrangeiro, ... é tão cirúrgica que o autor achou por bem colocar pitadas de um humor ácido para divertir e advertir ao mesmo tempo. É o que torna a leitura possível, pois é revoltante como as permanências só acontecem com a exploração de muitos com o uso da religião e da coerção violenta da polícia a mando do Estado. 

É o oposto do Quem quer ser milionário? e não mostra apenas essa Índia holística e exótica para muitos. Chega a ser a esquina da nossa rua, pois muitas situações citadas não são diferentes no nosso quintal. Já avisando de cara, o filme catalogado na Netflix é muito bom, mas com aqueles desvios de personagens que não dá para compreender o contexto, então, óbvio, o livro é muito indicado. 

 

A Morte e a Morte de Quincas Berro D´Água - Jorge Amado


 

Um modelo perfeito para a sociedade que acaba se transformando em escória da mesma, o que nos faz refletir sobre a morte simbólica para os seus familiares após o não pertencimento do comportamento padrão e as mortes para alívio familiar versus morte como destino desejável daquele que morre. Seria talvez a morte social e depois a física. 

O prefácio foi escrito por Vinícius de Moraes em 1959 que fala do crescimento, segundo ele, do autor que vem desde um livro cheio de defeitos como "O País do Carnaval" até a obra prima em questão "A morte e a morte de Quincas Berro D´Água". É o meu terceiro livro do autor. 

A narração explica bem o título e é tão atemporal pelo fato dessas mortes que temos em vida quando não participamos dos status financeiro, cultural, normativo e padronizado. Sem esquecer o familiar. Mas, o que mais me apeteceu foi a descrição da vida noturna, boêmia, cotidiana e marginalizada do cais da Bahia. 

13º/2021

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021

Simplesmente Pagu


 Autobiografia Precoce é um livro que não se prende a datas, fatos e nem eventos que vamos ler sobre a vida de Patrícia Rehder Galvão, mais conhecida como Pagu. O desejo não era escrever de forma retrospectiva, pois isso implicava para a autora uma marcha à ré. Contrária a autocrítica, sabia que a experiência se aproveita espontaneamente, sem dogmatização.

Pagu foi escritora, poetisa, jornalista e, dentre várias habilidades profissionais, teve grande destaque como militante da causa comunista. Desde a sua infância, já tinha a percepção dos seus passos fora dos conceitos humanos tradicionais. A obra aborda a sua constante busca pela bondade, beleza e o sabor amargo da insatisfação em não encontrá-las, o que a mantinha no círculo vicioso da procura de toda espécie de ideal.

O que temos como análise positiva é a simplicidade em descrever sua narrativa trágica no seio familiar e a sua trajetória que foi desde a alienação total, a participação de meios literários e artísticos da vanguarda modernista brasileira. A forma como Pagu denuncia em forma de autobiografia o olhar masculino patriarcal sobre a mulher, mesmo que dentro dos movimentos operários, nos faz refletir sobre as pautas de luta que deixaram as necessidades femininas à parte na sociedade.

Por outro lado, essa mesma simplicidade nos leva a indagar se estaríamos lendo sobre a mesma personagem. Não por causa das suas mudanças de convívio, mas pela forma que ela se mostra desconhecedora do mundo intelectual em que esteve inserida e, ao mesmo tempo, desmotivada pelas personalidades que a cercam. De um rompimento não percebido em sua autobiografia, analisamos uma militante inserida no movimento comunista a ponto de abrir mão da maternidade.

Autobiografia Precoce descreve as relações destoadas no seio familiar, o casamento com o modernista Oswald de Andrade, a maternidade, a participação exaustiva no Partido Comunista e até a sua frustração com a causa proletária na prática que, por mais que fosse válida, não se encaixava com os ideais teóricos da revolução soviética. Um desabafo notório de uma grande mulher brasileira à frente do seu tempo.


sexta-feira, 15 de janeiro de 2021

Anarquia e Cristianismo (vale a pena ler de novo!)

 


Conheci esse autor (sociólogo/teólogo/protestante francês) na leitura de "Política de Deus Política do Homem" um estudo sobre o livro bíblico de Reis. O livro "Anarquia e Cristianismo" é uma aula de História! O autor deixa claro que rejeita absolutamente a violência e descreve a anarquia do ponto de vista de um cristão. Também aponta os motivos de desgosto do anarquismo com o cristianismo, fonte de muitas guerras. Dá-lhe História! 


No capítulo sobre "Bíblia, a fonte de anarquia". O autor começa o capítulo afirmando que anarquia (an-arkhé) não é negação de domínio ou desordem. O homem ocidental está tão persuadido de que a ordem na sociedade só pode ser estabelecida por um poder central forte, que questionar esses poderes, para ele, equivale a semear a desordem. Vale lembrar de Lutero e a revolta dos camponeses, só para reflexão.


Entre outros assuntos é abordado para dar base ao título do capítulo: Referência sobre a Bíblia Hebraica, Jesus e a autoridade da época, o Apocalipse e o contexto histórico no qual foi escrito, a Epístola de Pedro (1 Pe 2.13-17)e Paulo em Romanos 13.1-7. No capítulos finais uma aula de História e demonstração de como o Estado absorveu o cristianismo nos primeiros séculos d.C: Sínodo de Elvira (313); conversão de Constantino (312-313); Sínodo de Arles (314)e o concílio de 314.


Finalizando: "os cristãos engajados precisam evitar cair no balaio da ideologia em voga no momento. A Igreja foi monarquista na época dos reis, imperialista com Napoleão, republicana na República e agora socialista (a Igreja Protestante, ao menos era) socialista como todo mundo". Palavras de um sociólogo e teólogo protestante. Indico!

Resenha 2014 

segunda-feira, 4 de janeiro de 2021

O Ensino Religioso na BNCC (33/2020)


 Organizado por Emerson Sena da Silveira e Sérgio Junqueira a obra contribui para o debate continuado sobre o papel e o significado do Ensino Religioso no Ensino Fundamental. O livro norteia a prática de educadores, pesquisadores e cientistas das religiões no caminho de mediar para que os estudantes possam compreender sua identidade religiosa em uma construção em reciprocidade com o outro e na percepção da ideia do Transcendente, expressas de maneira diversa pelos símbolos, ritos e práticas religiosas. 

Esta publicação reúne nove ensaios que discutem, em diferentes perspectivas, o conteúdo orientador do Ensino Religioso estabelecido na Base Nacional Comum Curricular. É papel do Ensino Religioso, amparado pelos estudos das Ciências da Religião, produzir conhecimento e formação para superar a ignorância, o desconhecimento, a violência religiosa e o preconceito. 

A partir da BNCC é norma que se trate academicamente, de forma didático-pedagógica, a compreensão das manifestações religiosas e de suas contribuições para as sociedades humanas. Por essa razão, o Ensino Religioso que se pretende para os sistemas educacionais visa à construção de conhecimento sobre as religiões no Brasil, que as entende como constituintes de nossa identidade, mas também como uma dimensão da experiência humana, a qual pode ser entendida como categoria antropológica.